Atividade física e o idoso
Compromisso com o seu conforto

Atividade física e o idoso

Nos últimos anos, os inúmeros estudos desenvolvidos, apontam que a prática de atividade física como um dos fatores essenciais que contribuem para o envelhecimento ativo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta um estilo de vida ativo como uma das principais formas de prevenir doenças, manter o funcionamento cognitivo e providenciar a integração na sociedade (Araújo,2011).
A atividade física é essencial para a saúde e bem-estar. A falta de prática de atividade física pode levar ao isolamento, e consequentemente a uma gradual perda das capacidades físicas e cognitivas. Com a inatividade física aos poucos, vai-se perdendo a capacidade vital, e as tarefas simples do dia-a-dia começam a parecer demasiado complexas (Araújo, 2011).
A prática de atividade física ajuda a prevenir algumas alterações patológicas, quer anatómicas quer funcionais, e a lidar com as alterações que acompanham o passar dos anos. Praticar atividade física não se trata de rejuvenescer mas sim de envelhecer da melhor forma possível (Araújo, 2011).

Consequências da inatividade física

Fisiológicas

Psicológicas

Sociais

Patologia cardiovascular e respiratória precoce (o coração e os pulmões vão piorando)

Baixa autoestima

 

Imagem social negativa

 

Patologias metabólicas (aumento do colesterol total, da tensão arterial, do peso e da diabetes)

Apatia

 

Isolamento

 

Patologia osteoarticular (as defesas do organismo tornam-se vulneráveis)

 

Confusão

 

 

Diminuição da produção de hormonas (principalmente as que protegem a osteoporose)

 

Insónias

 

 

 

Ansiedade

 

 

 

Depressão

 

 

A prática de atividade física pode contribuir para a melhoria da condição física, psicológica e social.

Benefícios da atividade física

Fisiológicos

  • Aumento da quantidade de endorfinas circulantes (o que provoca um estado de bem-estar no final da atividade);
  • Ajuda a controlar o nível de açúcar no sangue (glicemia), favorecendo a prevenção e o controlo da diabetes;
  • Reduz os níveis de colesterol total;
  • Diminui a tensão arterial;
  • Melhora o sono;
  • Aumenta a irrigação sanguínea em todos os órgãos e oxigenação do sangue;
  • Mantém os músculos treinados para todas as atividades do dia-a-dia (evita dores musculares, ósseas e das articulações, o aparecimento de varizes, etc.);
  • Reduz a probabilidade de obstipação (prisão de ventre);
  • Reduz o risco de várias patologias como: cancro do colón e da mama, a osteoporose, a diabetes, o acidente vascular cerebral, doenças do coração e o enfarte cardíaco;
  • Retarda o aparecimento de alterações posturais, dores nas costas e artroses;
  • Melhora o funcionamento do sistema imunitário,
  • Melhora a funcionalidade e minimiza a dor.

Psicológicos

  • Incrementa o sentimento de autoestima e bem-estar geral;
  • Ajuda a lidar com o stress;
  • Melhora o humor e reduz o risco de depressão;
  • Favorece a atividade intelectual e o equilíbrio afetivo.

Sociais

  • Promove as relações sociais e a comunicação, favorecendo a criação de novas aprendizagens;
  • Aproxima a pessoa ao meio envolvente;
  • Ajuda na integração da pessoa na comunidade;
  • Cria a possibilidade de novos relacionamentos (extrafamiliares e intergeracionais).

Praticar atividade física de um modo regular não implica seguir um programa de exercícios físicos num grupo e com um professor. Adaptar um comportamento mais ativo nas tarefas do quotidiano, ajuda a atingir os benefícios mencionados.

Algumas das sugestões simples e práticas que podem contribuir para o aumento da atividade física:

  • Caminhar ou andar de bicicleta em vez de conduzir;
  • Ir pelas escadas em vez de ir pelo elevador;
  • Estacionar o carro um pouco mais longe do seu destino, e caminhar o resto do percurso a pé;
  • Sair do autocarro uma paragem antes da pretendida, de vez em quando, e fazer o restante percurso a pé,
  • Passear o seu cão;
  • Praticar atividades nos tempos livres que requeiram atividade física (por ex. lavar o carro, jardinagem, etc).

A Organização Mundial de Saúde recomenda que se faça 150 minutos de atividade física de intensidade moderada por semana. Assim sendo, é essencial fazer cerca de 20 minutos de atividade física diária. No entanto não é necessário fazer os 20 minutos de uma só vez, pode ser dividido em dois períodos de 10 minutos.

Referências bibliográficas
Araújo, L. (2011). Exercite o seu corpo. In. O. Ribeiro & Paúl, C. (Coord.). Manual do Envelhecimento Activo (pp. 13-37). Lisboa: Lidel

Artigos sugeridos

Atividade física e o idoso
Alimentação e o idoso